Sindicato é pra Lutar!

Panorama da eleição para o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro

O processo eleitoral do sindicato foi deflagrado em assembleia em abril, quando foi escolhida a Comissão Eleitoral para guiar o pleito. A oposição compareceu em maioria e indicou a maioria dos membros da Comissão. A partir daí, a atual diretoria percebeu a força que temos. Tanto que fomos procurados por duas das três atuais chapas de situação (todas com integrantes da atual diretoria) para tentativas de alianças.

Escutamos as propostas, mas todas foram recusadas. Principalmente, por uma questão de coerência. Sempre criticamos, afinal, a ineficiência, a fragilidade e a omissão das últimas diretorias. A situação está rachada em três. Diferentes interesses e trocas de acusações marcam o posicionamento dessas chapas. (mais…)

Anúncios

Apoio de Lúcia Rodrigues

Imagem

Apoio a Chapa 2 por ter a certeza de que esses companheiros vão transformar o Sindicato em uma entidade de fato a serviço dos jornalistas cariocas. Votar na chapa Sindicato é Pra Lutar é eleger um futuro melhor. Chega de demissões! Chega de salários aviltantes! Chega de acúmulo de funções! Chega de jornadas extenuantes! Vote Chapa 2 pra mudar essa situação!

Lúcia Rodrigues, ex-repórter da Rádio Brasil Atual e da Caros Amigos (São Paulo)

Festa dos jornalistas acontece nesta quinta

Imagem

Nesta quinta-feira, dia 6, irá acontecer a festa de lançamento da chapa 2 “Sindicato é pra lutar!”, grupo de oposição ao Sindicato dos Jornalistas do Município do Rio de Janeiro. Com o tema “Oposição de Verdade. A gente quer mudar pra ser feliz!”, o evento tem o objetivo de divulgar as propostas da chapa e ampliar o diálogo com os jornalistas. A festa terá início às 19h, com roda de samba e DJ, e será na Choperia Brazooka, na avenida Mem de Sá, 70, Lapa. Contribuição de R$10

“APOIO IRRESTRITO”

Imagem

“Manifesto apoio irrestrito à chapa de oposição”

ERNESTO VIANNA, ex-presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado do Rio de Janeiro

Racha da direção dos jornalistas do Rio revela podridão sindical

Cheira mal a disputa eleitoral do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro. A atual direção sindical, que faz um jogo de dança de cadeiras nos últimos 20 anos, rachou em três e, hoje, faz uma disputa interna de quem fala mais mal do outro.

Jacó, por exemplo, acusa seus parceiros de direção de fazer assembleia geral de prestação de contas às escondidas, inclusive de não esclarecer sobre o patrocínio que recebeu da Petrobras para criar um centro de memória de jornalismo.

Por sua vez, Bete Romero revela que Jacó, enquanto presidente da Arfoc – a Associação dos Repórteres Fotográficos e Cinematográficos -, marcou uma assembleia geral de prestação de contas – que valia por três anos fiscais – na mesma noite de um jogo do Flamengo na Libertadores das Américas, quando a maioria dos repórteres fotográficos está literalmente em campo. Bete conta ainda que Jacó virou oposição interna quando a diretoria suspendeu o pagamento do estacionamento do seu carro particular que era pago pelo Sindicato desde 2005.

Jacó, por outro lado, volta sua bateria também contra Nelson Moreira, outro dirigente dissidente, dizendo que ele foi contemplado com um cargo de chefia em O Dia logo após um passaralho no jornal, que se caracterizou por um silêncio sepulcral da direção sindical.

Em nota conjunta, Bete, Nelson, Suzana – atual presidente -, entre outros dirigentes, dizem que Jacó, atual secretário geral do Sindicato, viabilizou um empréstimo de R$ 35 mil para a Arfoc – que ele preside – em 2008, sem qualquer documento a respeito.

Há dias, reunido com um grupo de jornalistas com vista à formação de uma chapa, Nelson foi indagado sobre o que achava da discriminação racial que impera nas Redações. Simplesmente, afirmou que desconhecia o fato.

Jacó, em outra nota, ataca dizendo que “a presidente do Sindicato, Suzana Blass, montou uma farsa, repleta de mentiras e com parecer jurídico sem sustentação legal, para apropriar-se de R$ 47 mil que a Justiça obrigou a Sul América a pagar de multa aos titulares de um plano de saúde de jornalistas. O Sindicato, na condição de intermediário, recusou-se a transferir o dinheiro para os colegas segurados, muitos dos quais aposentados”.

Pelo que se vê e observando a atuação da direção sindical nos últimos anos, dá pra concluir: os três lados da direção estão com a razão. São depoimentos que não deixam dúvida de que há algo de podre no reino do Sindicato dos Jornalistas do Rio.

A sociedade deve estar perguntando: é essa direção sindical que está na luta pela democratização da comunicação, na luta por melhorias da qualidade de vida da categoria profissional? Difícil acreditar.

Em boa hora, vários jornalistas vem discutindo a formação de uma chapa que rompa com esse marasmo mau cheiroso. Querem resgatar o Sindicato para as lutas sociais. As eleições dos jornalistas do Rio serão realizadas em julho próximo, e a chapa de oposição precisa de apoios.

 

Fernando Paulino – Luta, Fenaj! RJ

Paula Máiran, candidata à presidência da chapa 2, fala sobre o processo eleitoral

Imagem

Em tempos de campanha eleitoral sui generis no sindicato dos jornalistas do Rio, com quatro chapas na disputa, os companheiros jornalistas precisam ficar muito atentos ao que têm para ler ou ouvir. Nem sempre tudo é o que parece. É preciso refletir sobre as propostas de renovação que partem de grupos que há pelo menos duas décadas estiveram no controle do sindicato e nada fizeram para conter o grave processo de desvalorização profissional que hoje nos põe entre os profissionais que mais sofrem com doenças como depressão, que levam muitos de nós até ao suicídio. Antes de decidir qual a chapa que merecerá o seu voto, estude bem qual reúne, de fato, potencial para promover as mudanças necessárias no nosso sindicato. Cuidado, por exemplo, ao analisar a composição das chapas. Se forem formadas por patrões, o que esperar? Se forem oriundas da mesma matriz presa há um casamento de duas décadas com a gestão atual da Fenaj, articulada a setores políticos em nada comprometidos com as demandas das bases da nossa categoria, o que esperar? Chega desse processo perverso estimulado pelos patrões de criminalizar a politização da nossa luta por direitos! Não há coincidência, mas muita legitimidade, sim, se a militância em luta por direitos humanos e causas libertárias se une na Chapa 2, pra disputar o sindicato com o objetivo de torná-lo de fato um instrumento de luta política sindical da categoria dos jornalistas. Hoje em dia, muitos de nós têm questionado: para que serve mesmo o nosso sindicato?

 

Composição da chapa 2

Chapa 2 Sindicato É Pra Lutar – Oposição de Verdade

Imagem

Presidente: Paula Maíran (assessoria de imprensa de mandato parlamentar municipal em Niterói)
Vice-presidente: Randolpho Silva de Souza (Monitor Mercantil)
Secretário-geral: Cláudia de Abreu (Sindipetro-RJ)
1º tesoureiro: Camila Marins (Fisenge)
2º tesoureiro: Amélia Sabino (Jornal Lance)

Conselho fiscal: Cecília de Moraes (assessoria de imprensa de mandato parlamentar municipal no Rio de Janeiro); Daniel Fonsêca (Canal Saúde) Fran Ribeiro (TV Memória Latina)

Delegados na Fenaj: Gizele Martins (Conselho Regional de Psicologia/RJ) Vivian Virissimo (Brasil de Fato)

Suplentes: André Vieira (Telesur) José Olyntho Contente (Sindicato dos Bancários e Sindisprev) Raquel Júnia (EBC) Regina Quintanilha (Sindipetro-RJ)
Samuel Tosta (repórter fotográfico free lancer)

Apoiamos para a Comissão de Ética: Álvaro Britto (Incra e professor da UBM) Dante Gastaldoni (professor da UFF) Nilo Sérgio (professor da UFRJ) Sylvia Moretzson (professora da UFF) Sérgio Caldieri (Inepac/RJ)

Qual a importância da sindicalização?

Imagem

O Sindicato dos Jornalistas do Rio de Janeiro não é só para negociar acordos coletivos – apesar de ter se reduzido a isso nas últimas décadas. O sindicato deve trabalhar por melhores salários, condições de trabalho, relações internas dignas, respeito ao Código de Ética, proteção contra toda forma de assédio ou preconceito.

O sindicato deveria ser um lugar capaz de receber adequadamente as demandas do jornalista vítima de exploração, opressão, assédio, preconceito, toda forma de abuso patronal ou desrespeito aos seus direitos trabalhistas. Assim como do jornalista vítima de violência ou da violação de seus direitos pelo próprio Estado. Todos esses fatos não devem ficar restritos a conversas de corredores com outros colegas de profissão. É possível existir um sindicato que ouça você, que possa agir quando você tiver dificuldades.

Para isso, você precisa participar do processo. Precisa conhecer e entender como o Sindicato de Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro pode te ajudar a ter um salário melhor, um ambiente de trabalho melhor e uma qualidade de vida melhor. Não é este que está aí. Este sindicato não nos representa há anos e é comandado pelo mesmo grupo político há décadas, que agora rachou e falam em fazer coisas que nunca fizeram quando estavam lá. Se você quer melhorar, comece se sindicalizando e participando do processo eleitoral que vai definir quem serão as pessoas que vão te representar pelos próximos três anos. Os benefícios que sairão daí não se contabilizam. Veja como é simples se sindicalizar. Fique atento ao prazo: até 6 de julho!

Pelo fato de não nos sentir representados pela direção do sindicato, muitos deixaram de pagar a mensalidade. Se você quer participar do processo, saiba que existe uma anistia para a dívida. Basta pagar o valor de R$180 e todos os débitos anteriores serão automaticamente quitados! Assim, você estará apto a votar de novo!

Se você ainda não se sindicalizou, leve os seguintes documentos à sede do Sindicato, na rua Evaristo da Veiga, 16, 17º andar(3906-2450):

– Cópia da Carteira Profissional, páginas: retrato, qualificação civil e registro profissional.
– Cópia do diploma (frente e verso); no caso deste ainda não ter sido expedido, você deve levar um certificado de colação de grau do seu curso + histórico escolar
– Cópia do CPF
– Cópia da carteira de identidade
– Cópia do comprovante de residência.
– Informar tipo sanguíneo
– 3 fotos 3×4, recentes e com fundo branco.
– Pagamento da taxa de R$60,00 referente à primeira mensalidade (R$ 30,00) e taxa de inscrição (R$ 30,00).

Afinal, Sindicato é pra lutar!

Site: https://sindicatopralutar.wordpress.com/
Face: www.facebook.com/sindicatoepralutar
Twitter: @SindJorPraLutar
E-mail: chapasindicatopralutar@gmail.com

Oposição é a primeira a registrar chapa para o Sindicato dos Jornalistas

IMG_3866Nesta sexta-feira, 17 de maio, a chapa “Sindicato é pra Lutar! – Oposição de verdade!” foi a primeira a se inscrever no processo eleitoral para renovação da diretoria do Sindicato dos Jornalistas do Município do Rio de Janeiro. (mais…)

Festa da Chapa – Oposição de verdade: a gente faz para ser feliz

sindicato (2)

Na próxima quinta-feira, dia 6, irá acontecer a festa de lançamento da chapa 2 “Sindicato é pra lutar!”, para o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro. (mais…)

Siga!